Acerca de nosotras ·

Actividades

Escritora feminista Poeta Pintora Artista Cantante Música Periodista Actriz Escultora directora de cine activista Defensora de derechos humanos Arte Política abogada compositora Fotógrafa Profesora investigadora medica Arquitecta Maestra Socióloga Historiadora Filosofa fotografa Ilustradora Rosas para todas nuestras heroínas dibujante Mujeres Creadoras Artista plástica Educadora Novelista bailarina guionista pianista química Diseñadora Pintura coreógrafa sindicalista Literatura Psicóloga jurista literata Ecologista Pedagoga cineasta Documentalista Dramaturga Narradora feminista y activista por los Derechos Humanos urbanista Anarquista Descubridora Economista Fisica Poetisa Teologa ceramista científica matemática Actriz de teatro Artesana Cuentista Enfermera Filóloga Jueza cantautora Artesana alfarera Artista textil Artistas Bióloga Blogera Cantante y compositora Compositora de música Directora de orquesta Diseñadora gráfica Ecologa Fotoperiodista Interprete musical Psicologa Psicoterapeuta Rapera diplomatica mezzosoprano Activista por los derechos sexuales de las mujeres Artesana herrera Artista gráfica Artistas graficas Diseñadora de moda Doctora Ciencias Políticas Escritoras Fisiologa Geologa Gestora cultural Naturalista Neurologa Terapeuta Terapeuta quinesóloga Teóloga feminista asambleista asesora en prevención de violencia de género . diputada directora directora de teatro. directora de documentales directora de periódico directora de tv doula intérprete de sitar poeta Innu psicoanálisis toquillera

lunes, 5 de septiembre de 2011

Amadurecimento no entendimento brasileiro sobre a violência contra a mulher



Pesquisa  diagnostica mudanças no posicionamento da sociedade brasileira em relação à violência contra a mulher

A pesquisa "Percepções sobre a Violência Doméstica contra a Mulher no Brasil" demonstra um amadurecimento no entendimento brasileiro sobre a violência do genero


A pesquisa promovida pelo Instituto Avon, que contou com a colaboração da empresa de pesquisa Ipsos, Instituto Patrícia Galvão e Palas Athena, entrevistou 1.800 pessoas entre 31 de janeiro e 10 de fevereiro de 2011. Seu objetivo foi captar a percepção da sociedade a respeito do tema "violência contra a mulher".



De acordo com os resultados do estudo, houve uma mudança importante na percepção da sociedade brasileira sobre a gravidade do problema da violência contra as mulheres: 6 em cada 10 entrevistados alegaram conhecer alguma mulher que sofreu violência. Desse total, 63% afirmaram ter tomado algum tipo de providência para ajudar. A pesquisa afirma que "este dado aponta para uma mobilização da sociedade, sobretudo das mulheres (72%), de apoiar as vítimas de agressão".



Ao serem perguntados sobre o que entendiam por violência doméstica contra a mulher, 80% dos entrevistados citaram violência física, como empurrões, tapas, soco e, em menor caso (3%), agressões que poderiam culminar na morte da esposa. Apesar de a violência física ter sido a face mais citada do problema, 62% relacionaram a violência psicológica (agressões verbais, xingamento, ameaças), 6% mencionaram a violência moral (injúra, calúnia, constrangimento, difamação) e 6% incluíram a violência sexual (obrigar a mulher a fazer sexo) como forma de agressão, demonstrando uma ampliação nas práticas consideradas pelos brasileiros como formas de violência.



Outro aspecto revelado é que o conhecimento a respeito da Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06) aumentou consideravelmente desde a última pesquisa realizada, há 2 anos. Entre os entrevistados, 94% afirmaram conhecer a referida lei. Entretanto, apenas 13% desses declararam saber muito ou bastante bem sobre a lei, ao passo que 36% apenas ouviram a respeito dela. A pesquisa chama a atenção para a necessidade de divulgação mais ampla da Lei 11.340/06, a fim de aumentar o espectro de percepção de sua aplicação.



De acordo com a pesquisa, os principais fatores que mantêm a mulher na relação violenta são a falta de condições econômicas para o próprio sustento e a criação dos filhos. A emancipação de um relacionamento abusivo torna-se mais difícil para as mulheres de baixa renda e pouca escolaridade. Dentre as 936 mulheres entrevistadas, 235 (27%) disseram já terem sido vítimas de violência doméstica, sendo que 47% alegaram terem sofrido agressão física, 44% reportam ter sofrido humilhação e 15% foram forçadas a fazer sexo.



Fonte: http://www.observatoriodegenero.gov.br/
http://www.spm.rs.gov.br/conteudo.php?cod_menu=13&cod_conteudo=837

No hay comentarios:

Publicar un comentario

HH

Más